Página:As organizações no ciberespaço.djvu/71

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Contudo, é preciso ressaltar que as duas últimas etapas não eliminam a anterior: relativizam-na, acrescentando-lhe mais dimensões. Para o autor,

"a cibercultura, terceira etapa da evolução, mantém a universalidade ao mesmo tempo em que dissolve a totalidade. Corresponde ao momento em que nossa espécie, pela globalização econômica, pelo adensamento das redes de comunicação e de transporte, tende a formar uma única comunidade mundial, ainda que essa comunidade seja — e quanto! — desigual e conflitante." LEVY, 1999, p. 249)

Ainda segundo Levy, a finalidade da inteligência coletiva é colocar os recursos de grandes coletividades a serviço das pessoas e dos pequenos grupos, e não o contrário. Representa aquilo que a cibercultura tem de mais positivo para oferecer nos planos econômico, social e cultural.

O ciberespaço facilita as conexões, as coordenações, as sinergias entre as inteligências individuais, e sobretudo se um contexto dinâmico for melhor compartilhado, se os indivíduos e os grupos puderem se situar mutuamente numa paisagem virtual de interesses e competências, e se a diversidade dos mecanismos cognitivos comuns ou mutuamente compatíveis aumentar. Proporciona propriedades novas, que fazem dele um valioso instrumento de coordenação não hierárquica, de sinergização rápida das inteligências, de troca de conhecimentos, de navegação nos saberes e da autocriação deliberada de coletivos inteligentes.

Levy preconiza que o ciberespaço apresenta-se, portanto,

"a efervescência de suas comunidades, a ramificação entrelaçada de suas obras, como se toda a memória dos homens se desdobrasse no instante: um imenso ato de inteligência coletiva sincrônica, convergindo para o presente, clarão silencioso, divergente, explodindo como uma ramificação de neurônios." (LEVY, 1996, 1999)

De acordo com o autor, permitir que os seres humanos conjuguem suas imaginações e inteligências a serviço do desenvolvimento e da emancipação das pessoas é o melhor uso possível das tecnologias digitais. Essa abordagem tem diversas aplicações , dentre as quais:

  • econômicas: para o advento de uma economia dos conhecimentos e de um

desenvolvimento concebido como valorização e otimização das qualidades humanas;

  • políticas: democracia mais direta e mais participativa, abordagem planetária e