Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/178

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Algum tempo depois o outro rapaz chegou a casa do irmão, mas como ambos eram muito parecidos (só este tinha na face um signal) a cunhada facilmente o tomou pelo marido e deu-lhe pousada n’essa noite.

Ao outro dia estavam ambos á janella e o cunhado ao avistar a torre velha, perguntou:

— Que torre é aquella?

— Já te disse, homem, que

Era a torre de Babylonia
Quem vae lá nunca mais torna.

— Pois heide eu lá ir e heide voltar.

Apromptou-se exactamente como o irmão, e marchou em direcção á torre. Assim que a velha o viu, disse-lhe para prender o leão ao cabello. O rapaz fingiu que o prendia, mas deixou cair o cabello. Então a velha correu para elle. O rapaz disse:

— Avança meu leão!

E a velha:

— Engrossa meu cabellão.

O cabello não engrossou e o leão avançou. A velha:

— Não me mates, que eu dou-te muitas riquezas.

O cavalleiro não se importava. A velha:

— Não me mates, e aqui tens um vidrinho que desencanta todas as pessoas encantadas na torre.

O cavalleiro recebeu o vidro; mandou avançar o leão, e matou a velha. Depois desencantou todos que estavam na torre. O irmão, porém, apenas soube que a mulher por engano havia quebrado os laços conjugaes, assassinou o seu salvador.

(Porto.)