Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/459

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


238. LENDA DE CRESCIDO


(a castro daire)

Um rei, visitando um certo fidalgo, exclamou ao reparar no desenvolvimento physico de um filho do fidalgo:

— Ah! está crescido.

(Id., ibid.)




239. LENDA DE LAMEGO

Vem de geito esta conhecida phrase Noites de Lamego, que se interpreta assim: Um viajante hospedou-se uma noite em Lamego. O dono da casa deu-lhe um quarto muito escuro, onde havia um armario com queijos, e pela manhã esqueceu-se de ir abrir a porta. O viajante acordou, e cuidando que o armario era uma janella, abriu-o e como não visse luz e elle lhe cheirasse ao queijo que lá estava, disse:

— É muito cedo, não se vê nada, e só ainda agora as mulheres vão a vender o leite pela rua.

E tornou-se a deitar, dormindo não sei se um dia se mais. Quando lhe abriram a porta, ficou tão admirado por as noites de Lamego serem tão compridas.

(Id., ibid.)




240. ORIGEM DO NOME DE LISBOA

A tradição affirma que Ulysses, depois de destruida Troya, viera a estes districtos, e que lançára os primeiros fundamentos de Lisboa, que se ficou chamando Ulyssiopone, ou Ulyssipo, ou mesmo Olyssipo; mas póde ser que a parecença dos nomes occasionasse esta opinião.

(La Martiniere, Dicc. Geogr.)