Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/289

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
264
AN


Antonio Martins de Araujo Soares — Natural da Bahia, onde viveu pelo meiado do secula XVIII, foi militar e deUe fazem menção Emilio Adet, e J, N. de SOUZ"t e Silva no seu 1I1ttsaico poetico, publicado em 1.844, como cultor das mnzas, c como autor de varias - Poesias - publicadas em avulso, e dc muitas outras composições de igual genero'que fical'am ineditas, ignoranlo-se o destino que tiveram.


Antonio Martins Pinheiro — Filho do bem conhecido cirurgião Antonio Martins Pinheiro e de dona Albina Maria Pinheiro, nasceu na cidade do Rio de Janeiro a 12 de junho de 1824, e pela faculdade de medicina desta cidade foi graduado doutor em 1848. Serviu alguns annos o cargo de inspector da limpeza publica; é medico da visita do porto, veador de sua magestade a Imperatriz, official da ordem da Roza, commendador da de Christo, e escreveu:

Dissertação sobre a histeria: these apresentada à faculdade de medicina do Rio de Janeiro a 15 de dezembro de 1848. Rio de Janeiro, 1848. Cultivando desda muito joven a musica, que executa ao piano, instrumento seu predilecto, tem composto diversas peças, e d’entre as que tem publicado conheço :

- Tarantella napolitana para piano - Esta peça foi composta tambem a quatro mãos, e faz parte da coUecção intitulada Les deux pianistes, impressa por Arthur Napoleão.

- Carlina: grande walsa, para piano.

- Gaúcha: idem, idem.

- Experiencia: walsa brilhante, idem.

- O raio: galope de bravura, idem.

- Vaidoza: polka caracteristica, idem.

- Amor funesto: recitativo, idem - Todas estas peças e talvez outras que não conheço, foram impressas por Arthur Napoleão.


Antonio de Mello e Albuquerque — Nasceu na antiga capital da provincia de Alagôas. fez seus estudos no seminario de Pernambuco, ahi recebeu ordens do presbytero secular, e entrando para a repartição ecc1esiastica do exercito, depois de servir muitos annos como capellão, pediu demissão e reside na cidade do Recife. E' cavallairo da ordem da Roza, membro correspondente do instituto archeologico alagoano, etc. e escreveu:

- Oração recitada na solemne acção de graças pela feliz chegada de suas magestades á Maceió, na igreja matriz. Recife, 1860.


Antonio de Mello Muniz Maia — E' natural da provincia d Parahyba, doutor em medicina pela faculdade do Rio de Janeiro, official da secretaria da mesma faculdade, membro do conselho da instrucção publica da provincia do Rio de Janeiro e cavalleiro da ordem da Roza, e escreveu: