Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/290

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
265
AN


Aleitamento natural, artificial e mixto em geral, e em particular do mercenario em relação ás condições em que se acha no Rio de Janeiro: dissertação. Rio de Janeiro, 1873 - E' seguida de proposição sobre os tres pontos seguintes: Da flor. Da placenta. Da febre amarella.

Aligeras: poesias. Rio de Janeiro, 1880 - Este livro se abre com um prologo, escripto pelo conselheiro José Maria do Amaral.

Thesouro das escolas, colligido, etc. para uso dos alumnos da instrucção primaria do Brazil. Rio de Janeiro, 1881 — Segunda edição, idem, 1882. E' um livro de leitura gradual, que já foi adoptado por autorização do governo geral nas aulas primarias a cargo do ministerio da marinha e do imperio, e pelo governo provincial do Rio de Janeiro para as aulas da provincia.

O Potyrá : folha litteraria, poetica e recreativa. Redactores: A. M. Muniz Múa, P. VV. Mello e Cunha, A. J. G. Guacury e A. de Carvalho. Nictheroy, 1864 - Desta folha poucos numeras se publicaram. E' uma publicação dos tempos de estudante.


Antonio Mendes Bordallo — Filho de Francisco Mendes Bordallo, portuguez de nascimento e governador do castello de S. Januario, e de dona Anna Maria Alvares e Asturia, brazileira, nasceu na cidade de S. Sebastião do Rio de Janeiro a 24 de outubro de 1750 e falleceu em Lisboa a 17 de fevereiro de 1806.

Aos dezeseis annos de idade, com todos os preparatorios necessarios, partiu para Portugal e matriculou-se no curso de direito canonico da universidade de Coimbra, onde se formou em 1771, e estabelecendo-se como advogado em Lisboa, adquiriu uma reputação tal, que seu nome era apontado entre os dos jurisconsultos mais distinctos do fôro portuguez, e obteve ser nomeado advogado da casa de supplicação, em cujo exercicio morreu. Teve relações de amizade com os mais notaveis litteratos de sua época, e foi tambem um desvelado cultor da poesia. Não fez, porém, collecção de suas composições poeticas; dellas só se conhecem:

A casa de jogo: ode — Vem no segundo volume do « Florilegio da poesia brazileira » de F. A. de Varnhagem, depois Visconde de Porto Seguro.

Ode a dom João de Almeida — Idem.

Epistola a Martinho de Mello e Castro — em verso hendecasyllabo solto, da qual vem na dita obra um fragmento sob o titulo Satyra aos abusos da magistratura.

Soneto — que vem na collecção dos novos improvisos de Bocage, á pag. 37. Consta que deixara tambem, além de poesias, obras sobre jurisprudencia, cujo destino é ignorado.


Antonio de Menezes Vasconcellos de Drumond — Filho do capitão Antonio Luiz Ferreira de Menezes Vasconcellos de Drumond e de dona Josepha Januaria de Sá e Almeida, nasceu