Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/376

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
351
AU


Frederico Fomm: apontamentos biographicos. S. Paulo, 1879, 15 pags. in-8.°

Doutor Luiz Barboza da Silva: biographia. S. Paulo, 1880, 24 pags. in-8° — Esta biographia vem reproduzida no Almanak litterario de S. Paulo, do anno de 1880.


Augusto Dias Carneiro — Nascido em Caxias, provincia do Maranhão, a 12 de outubro de 1821, sendo seus paes o commendador João Paulo Dias Carneiro e dona Anna Joaquina das Mercês Carneiro, falleceu em Theresopolis, provincia do Rio de Janeiro, a 30 de novembro de 1874.

Era doutor em sciencias pbysicas e mathematicas pela antiga escola militar da côrte e lente cathedratico da escola central, depois polytechnica. N'uma necrologia que publicou o Globo, a 4 de dezembro de 1874, lê-se o seguinte; « No professorado do paiz deixa o doutor Carneiro um vacuo difficil de preencher; porque não sómente por sua vasta illustração, como pelo carinho especial, que consagrava á nobre profissão que adoptou, o doutor Carneiro era mais que um ornamento de sua classe; era o prepulsor enthusiasta do progresso de seu paiz, deleitando-se em augmentar todos os dias o cabedal intellectual de sua patria. »

Escreveu:

Equaçôes geraes da propagação do calor nos corpos solidos, suppondo variavel a couductibilidade com a direcção e posição; these apresentada á escola militar do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1855.

Elementos de mecanica — E' um livro que o autor estava compondo para compendio de sua cadeira, e que não chegou a concluir. Vi parte delle que me confiou seu filho Augusto Dias Carneiro, joven e modesto cultor das lettras, sobretudo da historia patria.


Augusto Emilio Zaluar — Filho do major José Dias de Oliveira Zaluar, nasceu em Lisboa a 14 de fevereiro de 1825, naturalisou-se brazileiro em 1856, e falleceu no Rio de Janeiro a 3 de abril de 1882.

Destinado a estular medicina, fez os preparatorios necessarios e matriculou-se no curso medico-cirurgico de Lisboa, mas deixou logo a academia e dedicou-se ao jornalismo litterario, collaborando para diversas revistas que se publicavam nesta cidade, e depois no Rio de Janeiro, para onde viera em fins de 1849. Apenas naturalisado brazileiro, foi nomeado amanuense da secretaria da justiça, mas pouco tempo depois deixou este emprego, fez excursões pela provincia do Rio de Janeiro, e pela de S. Paulo; de volta á côrte, serviu alguns annos como examinador da instrucção publica, e finalmente, na creação da escola normal em 1881, foi nomeado lente de pedagogia. Era cavalleiro da ordem da Roza, socio da sociedade auxiliadora da industria, etc.

Além dos escriptos que publicou em revistas lisbonenses, e em periodicos do imperio como o Diario do Rio de Janeiro e Çorreio Mercantil,