Página:Diccionario bio-bibliographico cearense - volume primeiro.djvu/70

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Fortaleza e dirigiu em Pernambuco o de S. Joaquim, destinado a orphãos e mantido pela Santa Casa.

Serviu por muito tempo de Secretario do Arcebispo D. Jeronymo Thomé, a quem acompanhou do Pará, e foi capellão do Asylo Conde de Pereira Marinho na Bahia.

Recusou mais de uma mitra.

Residia na Capital Federal, desempenhando as funcções de parocho da freguezia de Santa Rita, quando alli falleceu na noite de 17 de Dezembro de 1906.

Além de muitas poesias sacras compostas e publicadas em tempo de seminarista em Fortaleza, escreveu o Manual da Pia União das Filhas de Maria sob o patrocinio de Santa Ignez, que tem tido tres edições, e foi com o Padre Pedro Hermes Monteiro, outro cearense, o autor de um Projecto para creação de uma Universidade Catholica por meio de um apostolado de instrucção religiosa no Brasilf sobre o qual se pronunciou com favor a imprensa do paiz.

André Bastos de Oliveira (Des.or) — Nasceu na freguezia de S. Matheus a 14 de Fevereiro de 1808 e falleceu em Saboeiro a 7 de Julho de 1862.

Era filho do capitão Joaquim de Oliveira Bastos, fallecido em Saboeiro a 3 de Abril de de 1862 com 83 annos de edade, e de D.ª Vidoria Fernandes Vieira, irmã do Visconde do Icó.

Formado em sciencias jurídicas e sociaes em 1834, dedicou-se á magistratura chegando a ser desembargador das Relações de Pernambuco e Maranhão.

Foi cinco vezes deputado geral pelo Ceará e Commendador da Ordem da Rosa.

Foi elle o nomeado para 1.º Chefe de Policia do Ceará (Dec. de 15 de Setembro de 1842), visto não ter assumido o cargo o B.el João Antonio de Vasconcellos. Como era então juiz de direito do Crato, o governo deu-lhe substituto na pessoa do B.el Cruz Secco.

Escreveu:

Manifesto que os deputados eleitos pela provincia do

51