Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/101

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 665

O piano constava ser, quando estivesse a expedigao para chegar, entregar o general Lecor a cidade que occupava ao seu Cabildo, onde yingavam os elementos revolucionarios, e deixar a Hespanha arranjar-se sosinha com a colonia re- voltada, a qual estaria d essa forma pratlcamente gosando da independencia por que suspirava. A expedicao ficaria assim privada - - visto nao ser crivel que Montevideo se Ihe rendesse graciosamente de um ponto de apoio, um porto de aguada e refresco, e uma praca situada na entrada do es- tuario cujo dominio ia a metropole reivindicar.

A Buenos Ayres nao podia, pois, ser senao agradavel o alvitre, desmentindo as desconfiangas anti-brazileiras que tratavam de disseminar os elementos mais exaltados. Para Portugal e evidente que as vantagens resultavam obvias e muitas : poupava-se a um conflicto armado com a Hespa nha, antipathico ao concerto europeu e que podia determinar na Peninsula amargas consequencias ; inutilizava a tao pre- parada intervengao para reconquista, a qual faltaria uma base de operacoes ; impunha-se a confianga das Provincias Unidas e conquistava a gratidao de Montevideo, facultando- Ihe uma autonomia radical que a diplomacia suasoria da corte do Rio trataria mais tarde de converter n uma reen- corporagao, denunciando e especulando com o perigo de uma absorpgao da parte de Buenos Ayres.

A Hespanha era que nao podia convir o jogo e por isso intimava Casa Flores ao gabinete portuguez ( I ) , que a este incumbia a policia do territorio occupado. "Cabe a Sua Magestade Fidelissima manter e conservar a tranquillidade e seguranga das pessoas e bens d esses habitantes ate que,

��(1) Notas de 1 e de 5 de Novembro de 1819, no Arch, do Min. das Eel, Ext.

�� �