Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/147

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 711

si houvesse* uma linha de occupagao militar, pois que assim se nao verificava o caso de desoccupagao integral do terri- torio. A occupagao era calculada para findar dentro de urn anno, da mesma forma que se achava fixada a retrocessao de Olivenga. ( I )

Contradizendo mais uma vez a argumentagao hespa- nhola, empenhada em sophismar e protelar nada menos do que a portugueza, escreveu Palmella de Londres um me morandum confidencial que nao foi bem recebido em Ma drid, tratando o governo de Fernando VII de activar os armamentos de Cadiz para a expedigao tao postergada quanto esta chamada por Marialva fastidiosa e por Palmella tediosa negociagao. E sabido como afinal se mallogrou a ex pedigao, occorrendo a sublevagao de Riego que provocou a revolucao constitucional de Janeiro de 1820, a qual nao mais permittiu ao governo hespanhol occupar-se da nego ciagao de Montevideo, continuando portanto a occupagao portugueza que redundou na annexagao.

Ate ahi duraram as delongas e tergiversagoes, expressas ou occultas n um amontoado de notas e de communicagoes que faziam cavalgar constantes correios pelas estradas entre Madrid, Pariz, Londres e Italia (onde durante certos mezes de 1819 se encontrava Metternich) e andar continues ex- pressos embarcados entre o Rio de Janeiro e Falmouth. A Hespanha apparentara entretanto formular maiores con- cessoes.

A 1 6 de Abril de 1819 uma mzmoria do embaixador duque de Fernan Nunez, em resposta ao memorandum por- tuguez, mudava o ponto terminal da consentida linha pro-

��(1) Coi vesp. roservacla do Palmella. ibidem.

�� �