Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/17

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


��DOM JOAO VI NO BRAZIL 581

i ,

Esta correspondencia precedeu de pouco a evacuagao portugueza do territorio uruguayo. O armisticio termi- nado, o conflicto nao recomegou logo entre Montevideo e Buenos Ayres nem se travou entre Buenos Ayres e o Brazil, proseguindo, porem, a situagao anarchica na Band a Oriental e alem do rio, e ate tomando, como e proprio das contendas civis, um caracter selvagino. O partido nacional tinha de de fender mais do que a independencia politica, a sua propria existencia contra o partido hespanhol, e as conspiracies en- traram a responder as execuc/ks. Ao tempo que comegavam, em virtude da missao do tenente-coronel Rademaker a Buenos Ayres, a retirar-se as tropas portuguezas, principia- vam a rugir ferozes as paixdes no Prata, sendo morto entre outros Alzaga, o chefe do partido addicto a metropole; e Montevideo cortava suas communicagoes com a antiga sede do vice-reinado.

Rompimento nao significa forgosamente lucta armada, e Artigas, que aquem do Uruguay continuara a alirnentar a desordem, mostrava-se tao infenso a Montevideo como a Buenos Ayres, dando vigor a resistencia das outras provin- cias contra o governo que aspirava a central. Para o cau- dilho, Hespanhoes, Portenhos e Portuguezes eram em grau igual detestaveis. Assim caminharam as cousas ate 1816, sem que houvesse propriamente estado de guerra declarada ao goverr.o de Buenos Ayres, onde a situacao se tornara tao critica que o maior numero desesperava do exito da inde pendencia, ja entao theoricamente consagrada pelo Congresso dc Tucuman ; procurando os mais optimistas obter o con- curso diplomatico de outras nagoes, julgando outros residir a salvagao n uma monarchia separada da da Hespanha e mais facilmente acceitavel pela Europa entregue a Santa Allianga,

�� �