Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/18

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


582 l)(Bt JOAO VI NO BRAZIL


preferindo mesmo certos ao alastramento da anarchia o do- minio portuguez.

Tampouco se apresentava, longe d isso, normal e regular a condicjio de Montevideo, si bem que nao existindo franca occasiao para a intervengao portugueza, a qual foi grande- mente determinada, depois de 1815, pela situagao creada a monarohia de Dom Joao VI no Congresso de Vienna, servin- do entao a circumstancia de ser hostilizado por Artigas e estar ameacado de succumbir o governo legalista de Montevideo. O facto era que em 1815 ja se modificara em grau sensivel o precario estado militar do Brazil, e, sobretudo, a paz geral da Europa permittia a vinda de Portugal e a organizacjio em 1816 de uma divisao auxiliar de 5.000 veteranos da campa- nha peninsular, aguerridos pelos repetidos combates e disci- plinados pela mao fcrrea do marechal Beresford, que, desa- vindo com a Regencia do Reino e querendo explicar a seu geito os negccios (resolugao que Ihe surtio pleno effeito), os acompanhou ao Brazil e assistio ao seu embarque para Santa Catharina.

Foi com esta divisao, cornposta das trez armas, que se mandou o General Lecor (mais tarde visconde da Laguna) directamente apoderar-se de Montevideo; ao passo que for- gas brazileiras, entre ellas um regimento de linha e outro de negros livres, iam crear uma diversao as guerrilhas sempre activas de Artigas, penetrando pela fronteira do Rio Grande, onde a cavallaria irregular do caudilho nunca cessara de cruzar e pelejar, a occuparem o territorio ate o rio Uruguay, isto e, o scenario completo das fa^anhas dos rebeldes.

Resurgiam vivazes as pretengoes portuguezas, afrou- xadas durante alguns annos com a paralysagao da primeira

�� �