Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/210

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


774 DOM JOAO VI NO BRAZIL

raram Spix e Martius depois que os observaram pessoal- mente, elles mais dependem, qu ando aldeiados, da actividade ou industria dos forasteiros do que da propria, sendo por isso mesmo de lamentar que nao vivessem entre gente que Ihes pudesse dar uma melhor idea da superioridade moral da cultura estrangeira, diversa da fornecida pelo egoismo, cobica e deshumanidade d esses occupadores de um solo es- tranho.

A civilizagao dos indios tern igualmente sido ate aqui obstada pelo costume de empregar uma nagao para combater outra, como foram por exemplo empregados os Coroados contra os Puris, e pela sanha dos destacamentos militares, os quaes extenderam aos Puris a guerra de exterminio que por lei Ihes foi facultada contra os Botocudos. (i)" O Correio Braziliense acremente censurou ao conde de Linha- res essa guerra cruel, vestigio de antigo barbarismo, que elle decretara.

Si o exterminio nao foi a regra para os selvagens bra- vios, pelo menos foram os aborigenes mansos praticamente abandonados nas suas aldeias miseraveis, sem cultura e sem futuro, quando nao deixados a vaguear pelas mattas e cam- pos. A materia prima em verdade apparecia refractaria e por isso talvez nada de effective lograria jamais constar, quando muito maior fosse o seu devotamento, ao activo da Junta creada para indagar de tudo quanto pudesse promover a civilizaqao dos indigenas, e suggerir os meios convenientes de chegar a resultados animadores.

Alguns se obtiveram, si bem que de natureza provisoria ou limitada. Spix e Martius, que foram ao interior da capi- tania de Minas Geraes visitar os Coroados aldeiados no pre-

��(1) Spix e Maxtius, i). cit.

�� �