Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/211

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 775

sidio de Sao Joao Baptista, escrevem que os principles por que eram administrados os indios faziam honra ao governo, tratando os directores de conserval-os agrupa-dos e fazel-os cultivar a terra que Ihes era dada em propriedade, com isengao de taxas por dez annos e fornecimento gratuito de farinha de milho e utensilios agricolas. Ao mesmo tempo que os dirigiam, aquellas auctoridades defendiam-n os contra quaesquer tentativas de escravisagao por parte dos colonos, concedendo-lhes a proteccao da lei, e so os deixando traba- Ihar mediante salaries, posto que reduzidos, correlatives com sua inexperiencia e carencia de necessidades como as dos civilizados.

A politica de adiantamentos materiaes e moraes com que Dom Joao VI pretendeu assignalar o seu governo di- recto no Brazil, visava--e justiga admittir - - originar no tocante a civilizagao dos indigenas resultados mais satisfacto- rios do que meramente uma mais activa exploragao do in terior. Alias deve lembrar-se que ate certo ponto foi com semelhante intuito animada a melhoria das communicac.oes terrestres e fluviaes do littoral com o sertao. A Junta insti- tuida adrede denominava-se, conjunctamente, da conquista e civilizagao dos Indios e do commercio e navegagao do Rio Doce, e tinha sua sede em Villa Rica: a regiao dos rios Doce e Jequitinhonha foi a preferida de comego para taes ensaios da administragao com relagao aos aborigenes.

E de resto obvio que todo progresso n esse sentido de facilitar a navegabilidade de rios ou abrir estradas atravez de mattas espessas, com a consequente colonizagao de feigao europea, redundaria em proveito do elemento indigena, si elle proprio no emtanto fosse susceptivel de verdadeiro pro gresso, nao recuando medroso diante da cultura como Ihe

�� �