Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/441

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 1005

ficio, que em 1825 se incendiou e foi reconstruido pelo mesmo Almeida, concedendo-se-lhe para tal f im loterias ( i ) .

A inaugurate ficara memoravel. O auctor da peca symbolica, bocado de resistencia do espectaculo, chamava-se D. Gastao Fausto da Camara Coutinho e era um poeta cor- tezao do genero dos que hoje em dia regalam o Imperador Allemao com os seus panegyricos dramatizados dos Hohen- zollerns. Parece-nos agora o seu estylo pretencioso, empolado e confuso, ao ponto de por vezes perder nao somente a graca e- a limpidez, que estas Ihe sao desconhecidas, mas ate a in- telligibilidade. Nenhum todavia podia em certo aspecto ex- pressar melhor essa epocha nacional de vangloriosos desani- mos, de encyclopedismo afoito e de arremettidas disfarc,adas. O proprio entrecho nao e facil de resumir.

O primeiro quadro figura a sediga for] a de Vulcano. O deus incita os cyclopes a trabalharem com fervor nas armaduras dos Portuguezes, requeridas pela guerra. Como nos Luziadas, modelo eterno de talentos e de mediocridades, Venus apparece de protectora d esss amorosos incorrigiveis, rogando ao complacente marido que se apresse em soccorrer

��(1) Ao lado do theatre de Sao Joao, trabalhava antes da In- dependoncia um theatrinlio de propriedade de uma sociedade de nego- ciantes rieos, onde distinctos curiosos desempenhavam pe<;as escolhi- das, compondo-se a orchestra igualmente de curiosos. A sala era lin- damente decor a da : a sociedade dlssolveu-se porem. em 1817, diz-se que por invejas, ciumes e enredos. O abastado negociante Luiz de Souza Dias mandou construir outro theatro, de que foi architecto Grandjean de Montigny e onde eram taml)em amadores que represon- tavam (iDebre.t, 06. cit.) Xao nos ficaram tradic;ot\s litterarias d esscs palcos, cuja acgao devia tei- sido muito limitada, como era oxclusivo o seu circulo de actores e espectadorcs.

A existencia das roforidas salas indica porom como era vivo no Brazil o gosto pelo theatro, bem como era vivo o goslo pela mii- sica. Ambos aliils eram espalhados, nao so flumincnscs.

Xa JVahia davam-s e regularmente dcsdi^ isio i >c;as nacionaes e italinnas. Km Pernambuco igualmente havia c;is;i dc cspcctaculos. Km Sao Luiz do Maranhno abriu-se uma cm 1SL.N). N ouii-os tenu)os, do espl! mdx)r de Villa Rica, fora o sou theatro o viveir . dos actores do llio de Janeiro.

D J. - G3

�� �