Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/458

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


1022 t>oM JOAO vi NO BRAZIL

eram os unices eixos sobre que se movia esse desgraqado pe- queno estado.

Em certos meios ja se ia ate ao extreme de despedir toda susceptibili dade de independencia e encarar sem relu- ctancia a uniao iberica, de ordinario tao antipathica. Parecia mais digno este casamento de conveniencia dos dous povos rivaes, pondo cobro a uma tensao sete vezes secular, do que o prolongamento da subalternagao ao Brazil. No fundo, a impedir qualquer reconciliagao de interesses, senao de -affe- ctos, sobre a base da segunda formula, jazia insistente e irritante o problema do monopolio.

A idea ou mesmo proposta de restabelecel-o indirecta- mente, fazendo os generos brazileiros pagarem a sahida, para qualquer paiz que nao fosse Portugal, um direito espe cial igual ao que os tributaria si como antigamente tivessem Lisboa por escala, nao tivera acceitagao. ( i ) Seria restituir ao Tejo a per did a primazia, mas as custas da colonia elevada a Reino.

Tornava-se preciso vingar a revolugao liberal para que se pensasse a serio na reconstrucgao do derrubado edificio economico, invocando-se o principio de que n um governo representative a colonia nao pode ser livremente tratada ou se nao acha exclusivamente a merce do soberano, consti- tuindo propriedade commum da nagao, sobre a qual exerce esta direitos e possue voz activa: mais ainda, pois, como era o caso, as Cortes personificavam ellas sos a soberania nacio- nal.

Seria injusto calar, a par dos aggravos de Portugal, a difficuldade da tarefa cabida a Dom Joao VI. Tollenare sem

��(1) Tollenare, parte inedita.

�� �