Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/541

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 1105

presos que era impopular - - que elle devia contas minuciosas da sua gestao de thesoureiro-mor, da honestidade da qual suspeitava o proprio Silvestre, qualificando no emtanto de anarchistas os elementos que iam permittindo semelhantes actos discrecionarios como essas prisoes.

Nem os resultados serlam afinal beneficos porque, para reformar os abuses e remodelar a sociedade politica do tempo, nao servlam processes vingativos: o que se fazia precise era uma mao de ferro, com um alto e sincere ideal, podendo em tal hypothese evidenciar um absolute desprendimento de con- veniencias e de contemplacoes. O proprio Jose Bonifacio nao evoca essa figura.

A medida, por exemplo, de tornar effectiva, per meios forgosos ou voluntaries, a entrada das dividas dos particula- res ao Banco do Brazil - - cujo credito para com o erario tampouco se liquidou apezar da espectaculosa suggestao do penhor das joias da coroa--, indo bolir com muitas das pes- soas mais poderosas da terra, exigia na opiniao de Silvestre um grau de energia para o qual se nao sentiria bastante dis- posto o ministerio a que, merce da partida de Dom Joao VI, ficana ao lado do Principe confiada a execugao d aquella taref a de restauracao financeira ( i ) .

Silvestre Pinheiro Ferreira fora, d entre os novos minis- tros, o encarregado de redigir a Carta Regia relativa a re-

��(1) "E na verdade he melhor nao adoptar esta medida s? se hn do cx- ditar co.in:i istn aronl r ccnil O com o viscondo do one ]): (fii]( .,-s.: -lhe contas <l:i SUM a dniinistra<;rio ccm-o mor, i-osj)ond(Mi com as quitaooes dos balanc.-os (jue fc/ annunluionie o rrosi do-ntc do Kvario : e V. S3. yerA (,pois airuda Cil fica depois de nos partirmos) <jue o Govemo se ha de dar por sal isiVito : e o viscondo ha de sahir muito airoso : o talvez muito elogiado." (Carta XV, nos Annacs da Bibl. Nac.)

�� �