Página:Espontaneidades da minha alma.djvu/49

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

— 49 —

Quando choras
E descóras,
Envolta em ceruleo manto.

Cresce, cresce, flôr mimosa,
Nesse teu desabrochar;
Nunca a vida desditosa
Em ti possa penetrar,
Nunca os rigores da sorte
Desesp’rada,
Malfadada
Possa bárbara mirrar
Essa flôr
De primôr
Qu’expontanea se pousou
Na minha lyra d'amôr,
Qu’este canto m’inspirou!


Rio de Janeiro, 29 d’Abril de 1849.



Espontaneidades da minha alma, flourish, 29.png



7