Página:Espontaneidades da minha alma.djvu/92

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

— 92 —

Navego e assim caminhando,
Na minha vida scismando,
Contemplo que sou feliz;
Porque aqui rege a natura
Um só Deus — e a mão impura
Dos homens nada me diz.

Eu não troco a minha vida,
Ainda assim tão desabrida
Nas procellas do alto mar;
Aqui falla a Natureza,
Na terra só ha torpeza,
Risos falsos d’enganar!

Mesmo exposto á tempestade
Tenho ainda a liberdade —
Senhora dos céus e mar!
Não ha aqui ferros tyrannos,
Não ha gestos deshumanos,
Para barb’ras leis dictar!

Livre sou, navego altivo,
Sempre attento e nunca esquivo
Ás furias do vendaval:
E na immensidão destes mares,
Só ás vezes hei pezares,
Saudades de Portugal!