Página:Eu (Augusto dos Anjos, 1912).djvu/125

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

121


Vai uma onda, vem outra onda
E nesse eterno vaivem
Coitadas! Não acham quem,
Quem as esconda, as esconda.

Allegoria tristonha
Do que pelo Mundo vai!
Si um sonha e se ergue, outro cáe;
Si um cáe, outro se ergue e sonha.

Mas desgraçado do pobre
Que em meio da Vida cáe!
Esse não volta, esse vai
Para o tumulo que o cobre.

Vagueia um poeta num barco.
O Ceu, de cima, a luzir
Como um diamante de Ophir
Imita a curva de um arco.

A Lua — globo de louça —
Surgiu, em lucido veu.
Cantam! Os astros do Ceu
Ouçam e a Lua Cheia ouça!

Ouça do alto a Lua Cheia
Que a sereia vai fallar
Haja silencio no mar
Para se ouvir a sereia.

Que é que ella diz?! Será uma
Historia de amor feliz?
Não! O que a sereia diz
Não é historia nenhuma.