Página:Evocações.djvu/101

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
99


Atravez dos dilaceramentos da Vida, das tortuosidades do Desejo, das inquietações do Espirito, uma tarde — bella e magestosa tarde foi essa! — cheia de silêncios e sombras, vi pela primeira vez o teu perfil fascinativo, que o rhythmo nobre de uma estranha musica de perfeições e graça sonorisava serenamente.

Pareceu-me que desconhecida Divindade inspirava e illuminava a tua belleza, envolvendo n′um sacrário d′estrellas a tua castidade branca.

Uma auréola de exclamações cercava-te, vibrantemente, em assombros admirativos, em hymnos e alleluias acclamatorios.

Colleantes, subtis de rastros, iam as minhas impaciências, os meus frémitos, o meu anceio profundo, formando igneo terreno vulcânico, um chão de chammas, por onde tu passavas indifferentemente, alta no esplendor translúcido da belleza.

Éra, para mim, surprehendente revellação, o typo extravagante, irreal, da tua não sonhada formosura — typo de pureza e pompa brava, evocando, trazendo comsigo os segredos grandes dos Vedas.

Qualquer cousa de prodigioso fazia flammejar os teus olhos negros, negros, negros até á fadiga, até ao pezadello, até á saciedade, negros,