Página:Fabulas de Esopo.djvu/122

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
122
FABULAS


FABULA LVII.


O Bogio, o Lobo e a Rapoza.

Querelou o Lobo da Rapoza, dizendo que fizera hum furto. Era juiz o Bogio. E a Rapoza negou fortemente, disputando ambos diante do juiz, e cada hum descobrio quantas maldades sabia do outro. Depois do Bogio os ouvir, pronunciou a sentença, dizendo que o Lobo não provara bem ser-lhe feito furto: mas que elle entendera que a Rapoza tinha furtado alguma cousa; por tanto condemnava a ambos que ficassem entre si sempre desavindos e suspeitosos.