Página:Flora pharmaceutica e alimentar portugueza.djvu/30

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


22 FLORA PHARMACEUTIGA Semente : ovada, qiiasi chata, nítida de huma linha ou mais de comprimento, casca ou ne- gra escura, ou branca, ou alourada j farinha branca , hum tanto doce. Cultivâo-se tanto esta como a espécie antece- dente nas Provincias do Norte, menos abun- dante que o millio grosso. Secale* Calyx casulo bivalve, opposto, bifloro; corolla bivalve, a válvula exterior bojuda, aristada, quilha celheada, a interior plana, celheada. 20. S. cereale. Eyn Port. Centeio. Celhas dos casulos ásperas. Pharm. Alim. semente. Semente : quasi cylindrica , huma extremidade obtusa, a outra, na qual está obliquamente o corculo, aguda com hum sulco longitudinal, acinzentada , semipellucida. Farinha menos branca , que a do trigo , e quasi doce, viscosa. Cultiva-se quasi em toda a extensão de Portu- gal , mas principalmente na Beira e Tras-os- montes. Triticum, Calyx bivalve, corolla bivalve, cingindo a se- mente ou apertada , ou laxamente : disco da es- piga opposto ao carolím. 21, T hybernum. Em Fort, Trigo branco > pu can-