Página:Flora pharmaceutica e alimentar portugueza.djvu/32

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


14 FLORA PHARMACEUTICA ^, P. dactylon. Em Port. Grama das nossas hoti' cas. Panicum dactylon Lííi. Espigas digitadas , patentes , vilosas na base in- tcrior ; flores solitárias ; caules sarmentosos , reptantes. Pharm. raiz. Raiz bem conhecida. Habita frequentemente nos campos, nas margens dos caminhos e outras partes era tpdo o Rei- no. Floresce no Estio. Perenne. Hordeum. Calyx : dous ou três casulos em cada dente do carolim, bivalves, involucriformes •, corolla bi- valve , a válvula exterior aristada. Cahhão-se em Portugal as duas espécies se^ seguintes. 26. H. Hexastichon. Em Port. Cevada. Todos os flosculos hermaphroditos , aristados, sementes postas igualmente em seis direcções, ly. H. Distichon. Cevada sancta. Flosculos lateraes masculinos , desaristados , se- mentes angulares , imbricadas , nuas de casca. Pharm. e Alim. semente. A semente da primeira espécie he bem conheci- da : a da segunda bem notável pelos caracteres referidos : com tudo ás vezes varia ficando a semente pegada ao casulo. A espécie vulgaris , a que ordinariamente se referem os A A. de Matéria medica não sei que se cultive em Portugal^ mm se dá nelle espontaneamente.