Página:Flora pharmaceutica e alimentar portugueza.djvu/77

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


E ALIMENTAR PORTUGUEZA. ^9 no , a tornão digna de cuidados ainda maiores , ccyno já tem sido per tendi do pela Academia das Sciencias de Lis' boa. . S. melongena. Beringela roxa ou hranca. Caule inerme, herbáceo; folhas ovadas, cotani- Ihosas; pedúnculos pendentes, engrossados j ca- lyces de raros aculeos. Alim. fructo. Fructos axillares , pedunculados, pendentes. Ba- ga oval ou quasi cylindrica , pouco pesada, quasi da grandeza d' hum ovo de pata, for- mosíssima ; obscuramente arroxada , ou pur- púrea , muito lisa , nitida , obtusa no topo, hum tanto deprimida ; em lugar d'embigo hu- ma nódoa amarellada ; hum pouco convexa hum pouco attenuada na base coberta do ca- lyx quasi carnoso , entre arroxado e verde , semeado de muitos pelos entrelaçados e raros , com aculeos pungentes, fendido em cinco la- cinias agudas, entre levantadas e patentes ;^^- rf^^r^jyw^ esbranquiçado , carnoso, firme, de muitas sementes , quasi redondas , hum tanto chatas, dispostas em muitas series longitudi- naes. Ciiltiva-se menos frequentemente que a espécie antecedente; tem huma variedade, que tam- bém se cultiva cm Portugal , de fructo bran- co S. Melongena o-vifera. Floresce no estio. Annual. O fructo cru e cortado de fresco tem o cheiro e sabor análogo ao dos pepinos^ . S; Lycopersicura. Tomate. C^ule inerme , herbáceo ; folhas pinnuladas , re- cortadas; racimos simplices. Fructo : tem o mesmo usò que a espécie antece- dente.