Página:Flora pharmaceutica e alimentar portugueza.djvu/85

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


E ALIMENTAR PORTUGUEZA. ^7 Folhas quasi lineares , ou Jineares-Ianceoladâs, agudas , imicronadas , hum tanro crassas , por cima hum tanto convexas , margens quasi en- caracoladas para fora: por baixo canalicula- das , glabras d'ambas as partes ; no meio da largura de meia ou d'lnima linha , do compri- mento de duas até três, rentes, patentissimas j as inferiores e médias ordinariamente verticil- ladas quatro a quatro; as superiores contiguas ás cymeiras, terrainaes, ordinariamente duas oppostas, menores. Estipulas: duas na base ds cada folha (de cada parte sua) miudissimas, raembranaceas, assove- íadas , quasi empubescidas. Flores: cymosas; cymeiras muitas-, terminaes nO' caule e nos ramos (raras vezes huma lateral na penúltima articulação, rente ou quasi) for- quilhosas , divididas três ou quatro vezes ; raios curtissimos muito aproximados, os, exte- riores curvados para fora, flizendo assim cy- meiras quasi capitosas ; flores numerosas , an- teriormente segundinas , alternas, contigua^, rentes, huma só quâsi rente. na primeira ou se- gunda dichotomia. Bracteas : huma a cada flor do raio, miudissima, muito mais curta que o calyx, membranacea esbranquiçada, pellucida, ovada ^ aguda, con- cava, quasi empubescida. Integunienro da flor hum só. Perianthio: (também se pôde dizer corolla) dé cinco foi 10 los, três externos, pouco maiores dous internos mais estreitos , todos glabros com dous appendiculos na base; superiormente mais crassos, vistos á lente quasi papulosos, aca«  pellados-rebatidos ; de curtas praganas exterior-^ mente, interiormente côncavos 3 na antheseies-