Página:Herculano, Alexandre, História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal, Tomo II.pdf/66

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


arcebispo não sería cousa que excedesse os recursos dos conversos. Fosse como fosse, é certo que, ao chegar D. Henrique a Roma, existiam já relações occultas entre D. Martinho e Duarte da Paz, os quaes todos os dias tinham conferencias secretas[1]. Tractava naquelle tempo o arcebispo de remover uma grande difficuldade que se oppunha ás suas miras. Era a da bastardia, por ser filho do bispo de Évora e de uma certa Briolanja de Freitas[2], o que o excluia do cardinalato. Clemente vii não o ignorava, mas indifferente a essa circumstancia[3], conveio em representar um papel na farça que, para obter os

  1. «e por que isto he perdido, e o foi muito ha... he que des que aqui sou atégora, ontem, e anteontem, e oje, e cada dia o arcebispo tem oras e portas por onde falla canto quer com Duarte da Paz»: C. de D. Henrique de 1 de novembro de 1535: G. 20, M. 7. N.° 23. É a isto que se refere o breve Exponi nobis de 12 de junho de 1536 (M. 14 de Bullas N.° 7 e M. 24, N.° 35), em que se annulla o processo da legitimação do arcebispo, ibi: «minus quam conveniret ad regia negotia, et nimis ad sua intentus, minus probè et etiam quam par esset, etc».
  2. Breve Exponi nobis, l. cit.
  3. «Quasi che avesse piacere (Clemente vii) che uno bastardo venisse al grado dei cardinalato»: C. de Santiquatro, G. 20, M. 7, N.° 26.