Página:Historias de Reis e Principes.djvu/12

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


HISTORIAS DE REIS E PRINCIPES



 «... le roman est l'histoire des hommes
et l'histoire le roman des rois.»

 DaudetSouvenirs d'un homme
 de lettres.


I
Um rei e um conspirador


Fernão da Silveira, filho primogenito do barão de Alvito, foi escrivão da puridade de D. João II, e figura como poeta no Cancioneiro de Garcia de Rezende.

Estas circumstancias dão-lhe fóros de homem notavel no seu tempo. Mas a todas sobreleva, perante a historia, a de ter sido um dos conspiradores que mais incommodaram D. João II.

Parece que o rei não tinha sobejos motivos para confiar no seu escrivão.

Certo dia mandára chamar, por um moço da camara, Fernão da Silveira. D. João II não se queria referir ao secretario particular, mas a outro Fernão da Silveira, o coudel-mór, tambem poeta como o seu homonymo.