Página:Historias de Reis e Principes.djvu/142

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
135
MÃI E FILHOS

O caso está em saber a gente onde os outros foram fazer mão baixa.

Ora havia em Odivellas outra freira, que D. Affonso VI deixou para fazer a côrte a D. Anna de Moura.

Mulher de talento mas com cabellinho na venta, est'outra freira, que se chamava D. Feliciana de Milão!

Dos seus desbragamentos de linguagem dão ampla noticia Perim no Theatro heroino e Suppico na Collecção de apothegmas.

As duas freiras rivaes descompozeram-se em verso... como se valesse a pena!

D. Feliciana desembestou com o rei:

Meu monarcha, o vosso amor
e vosso trato amoroso
tanto tem de primoroso
quanto de pai e senhor;
mas, ainda assim, causa dôr
e não com pouca rasão
vêr que esta vossa affeição
muito tem que a desdoura,
pois adorais uma Moura,
sendo vós um rei christão!

A Flôr do Sol respondeu:

Com rara desigualdade
vós murchaes, ella florece:
Anna deidade parece,
Feliciana de idade.