Página:Historias de Reis e Principes.djvu/158

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
151
TRADIÇÃO GALANTE DE D. MIGUEL


Diz a tradição bracharense que n'um dos predios lateraes d'aquellas escadas vivia uma mulher galanteada pelo rei, e que D. Miguel, em 1832, quando de Lisboa sahira para Braga, ia todas as tardes vêl-a, subindo e descendo as escadas a cavallo.

Das suas faceis aventuras minhotas deve o leitor presumir. Braga estava completamente fanatisada pelo rei. As mulheres cobriam de beijos as medalhas e os anneis que se vendiam com o lindo retrato de D. Miguel.

Se fôres a Braga,
Traze-me um annel,
Que tenha o retrato
D'el-rei D. Miguel.

Braga era a cidade fiel, por excellencia, ao rei.

Nos campos ou nas ruas, mulheres, de lenço encarnado,—a côr miguelista,

Se fôres a Braga,
Traze-me uma fita,
Que seja vermelha,
Que eu sou realista,

cantavam trovas em que o nome de D. Miguel se confundia com o das plantas e das flôres mais rescendentes.

O alecrim é verde,
A rosa tem cheiro:
Viva D. Miguel,
D. Miguel primeiro!