Página:Horto (1910).djvu/219

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Ó que alegria para o coração
Onde a Saudade, sempre em flor, renasce!
A carta leve me pousou na mão
E o beijo amigo acarinhou-me a face.

E então, a rir, ó pomba idolatrada!
Eu transformei meu coração em ninho:
N’ele repousa a tua carta amada
E canta o beijo a ária do carinho.

Alto da Saudade, 31-5-1899