Página:Horto (1910).djvu/235

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


XX

Eu quero bem as creanças
Porque não sabem mentir;
São pombas lindas e mansas,
Passam na vida a sorrir.

XXI

Quando eu morrer, quero um manto
Como o de Nossa Senhora,
Que seja feito do pranto
Do Céo quando nasce a aurora.

XXII

Eu só adoro na terra
Da creancinha o sorriso,
Uma casinha na Serra
E um ninho no Paraiso.

XXIII

Repousa lá minha fronte
Despindo da Magua o véo;
Quem mora em cima do monte
Está mais perto do Céo.