Página:Laura de Anfriso.djvu/20

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Epistola dedicatoria.

Vede os noſſos, que em vello ſe animauão;
Vede como ferido não ſe acanha:
O que glorias alli ſe ſemeauão!

O ſangue paternal,que o campo banha
Vos deſperta as memorias de contino
Sò por irdes ganhar honra tamanha
Vede como ſe preza o Brigantino
Dos finaes do Senhor no meſmo roſto,
Qual Paulo diſſe ja do Reu Diuino.

Eſtai Principe excelſo a tudo oppoſto
Vede que aquelle ſangue derramado
Em trono de ſafiras eſta poſto.

Como ſerâ de Deos pouco eſtimado
De voſſo Pay e tio o ſacrificio?
Se o trabalho do pouo he tão honrado?

Mal faltara do premio o beneficio.
Voſſo Pay ao martirio naõ faltou
Aelle lhe faltou eſte exercicio.

Principe ſoberano vendo eſtou.
O diuino primor com que heis de amar
dO Rey IESVS que tanto vos amou.

Ia vos vejo o ſeu nome dilatar.
Ia com eſpada,& vox tendo alta inueja
De ſerdes hoſtia viua em ſeu Altar.

Tender de Martyr ſer razaõ ſobeja,
De outro Martyr antigo deſcendeis,
Por mais que hum latinzinho ladrar veja.

Inuejas