Página:Laura de Anfriso.djvu/23

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ao ſenhor Dom Duarte.
6

Entre tanto eſta humilde Primauera
Foi hum pequeno enſaio do futuro;
O fruito então virâ quando ſe eſpera

Ia com voſſos fauores me aſſegero
Contra quem me ladrar na partezinha;
Da qual gloria nenhũa a mi procuro.

Eſta ſomente foi a gloria minha
Louuar a Real caſa de Bragança,
Dando o que deuedor ha tanto tinha.

Neſtas rimas ſenhor tãobem ſe alcança
Quão facil he na vida hum breue riſo:
* Quão depreſſa ſe murcha hũa eſperança.

Aqui ſe repreſenta o grande Anfriſo,
Aqui a nobre Laura,a Deos atados
* Dando ameno teatro ao paraiſo.

Não queira Deos que os cantos profanados
ſejão ditos ſenhor por minha boca,
Nem a voſſa grandeza apreſentados.

Eſta ſanra tragedia a vôs ſo toca.
Vede o naufraso Anfriſo,que na area
Por ſeu patrão ſeguro vos inuoca.

Vede que vomitado em noite fea.
Dos mares infernais de Babylonia
Socorro eſtà pedindo em terra alhea.

Não parece ſenhor ſer couſa idonia
Que ache milhor Patrão que o Luſitano
O Anfriſo de Teſſalia & Macedonia.

Não