Página:Laura de Anfriso.djvu/32

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ecloga Primeira

   As cabras perdoàrão aos ſalgueiros;
   Todo o bem com ſeu dono o gado perde;
   Ambos de dous Amor nos deſtruia.
   Guardallo eu não podia:
   Pois q̃ nem guardar ſoube o meu cuidado;
   Perdido me enredei,
   Viuendo ſô lembrado
   Do nome de hũa ingrata que adorei,
   De mi,& das ouelhas eſquecido;
   Que muito ſe ẽ mi meſmo andei perdido?

Em mi perdido andei como em deſerto;
   Minha alma eſtaua feita hum laberinto.
   Sepultadas em dor minhas potencias.
   Leuarme de hum tormẽto em outro ſinto
   Tudo era magoa, tudo deſconcerto,
   Tudo rigores, tudo violencias.
   Ah crueis inſolencias!
   Oh aſperas priſoẽs, ô duros laços!
   Oh fortuna auarenta!
   Reſplandores eſcaſſos!
   Que inda agora a memoria me atormẽta
   Daquelle dia em que me perdi;
   Ay que fiquei perdido quando vi!

Naquellas ſebes vi a dura ingrata,
   Onde torcendo o paſſo as parras verdes
   Tem os duros eſpinhos enlaçados.

Vôs