Página:Machado de Assis - Teatro.djvu/270

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

D. FRANCISCA - Quem? D. CATARINA - Esse homem. Achou-nos nesta sala; eu tive medo; disse-lhe tudo.

D. FRANCISCA - Imprudente! D. CATARINA - Duas vezes imprudente; deixei-me estar ao lado do meu Luís, a ouvir-lhe as palavras tão nobres, tão apaixonadas... e o tempo corria... e podiam espreitar-nos... Credes que o Caminha diga alguma coisa a meu pai?

D. FRANCISCA - Talvez não.

D. CATARINA - Quem sabe? Ele ama-me.

D. FRANCISCA - O Caminha?

D. CATARINA - Disse-mo agora. Que admira? Acha-me formosa, como os outros. Triste dom é esse. Sou formosa para não ser feliz, para ser amada às ocultas, odiada às escancaras, e, talvez... Se meu pai vier a saber... que fará ele, amiga minha?

D. FRANCISCA - O senhor D. Antônio é tão severo!