Página:Memórias Pósthumas de Braz Cubas.djvu/39

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Já o leitor compreendeu que era a Razão que voltava à casa, e convidava a Sandice a sair, clamando, e com melhor jus, as palavras de Tartufo:

Cquote1 sh3.svg
La maison est à moi, c'est à vous d'en sortir.[1]
Cquote2 sh3.svg

Mas é sestro antigo da Sandice criar amor às casas alheias, de modo que, apenas senhora de uma, dificilmente lha farão despejar. É sestro; não se tira daí; há muito que lhe calejou a vergonha. Agora, se advertirmos no imenso número de casas que ocupa, umas de vez, outras durante as suas estações calmosas, concluiremos que esta amável peregrina é o terror dos proprietários. No nosso caso, houve quase um distúrbio à porta do meu cérebro, porque a adventícia não queria entregar a casa, e a dona não cedia da intenção de tomar o que era seu. Afinal, já a Sandice se contentava com um cantinho no sótão.

  1. Em francês: "A casa é minha. Você é que deve sair dela".