Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/113

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


E a c'roa virginal a noiva esfolha,
Eu queria a seus pés morrer chorando!
 
Adeus! Rasgou-se a página saudosa
Que teu porvir de amor no meu fundia,
Gelou-se no meu sangue moribundo
Essa gota final de que eu vivia!
 
Adeus, anjo de amor! tu não mentiste!
Foi minha essa ilusão e o sonho ardente:
Sinto que morrerei... tu, dorme e sonha
No amor dos anjos, pálido inocente!
 
Mas um dia... se a nódoa da existência
Murchar teu cálix orvalhoso e cheio,
Flor que respirei, que amei sonhando,
Tem saudade de mim, que eu te pranteio!