Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/124

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


na lua e no silêncio
Os eflúvios de tua formosura!
 
Ó anjo de meu Deus, se nos meus sonhos
A promessa do amor me não mentia,
Concede um pouco ao infeliz poeta
Uma hora da ilusão que o embebia!
 
Concede ao sonhador, que tão-somente
Entre delírios palpitou d'enleio,
Numa hora de paixão e de harmonia
Dessa Itália do amor morrer no seio!
 
Oh! na terra da vida e dos amores
Eu podia sonhar inda um momento,
Nos seios da donzela delirante
Apertar o meu peito macilento

Maio, 1851. — S. Paulo