Página:Obras poeticas de Claudio Manoel da Costa (Glauceste Saturnio) - Tomo II.djvu/11

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
III
ADVERTENCIA


começa: — Mais escravos... — e não é o unico exemplo. A conta de versos quebrados e indignos do poeta, é assaz numerosa e na maior parte esses defeitos são pequenos lapsos que a primeira vista se denunciam e se corrigem.

As notas ao poema de Villa Rica são do proprio punho de Cláudio Manoel da Costa que para escrevel-as utilizou-se de excellentes materiaes nos archivos da Capitania e em apontamentos que lhe deram mineiros e paulistas de consideração, como Tacques, Paes Leme, etc. Não obstante, os erros de historia são ahi frequentes e alguns inevitaveis n’aquella sua epoca, sobre tudo quanto á historia geral do Brasil.

Julgamos que não sendo as notas de nossa auctoria, nada nos cumpria corrigir nem alterar, até porque assim mesmo é que serviam e servem ae justificativa á narração do descobrimento das minas como nol-o representa o poeta em seus versos.

No Fundamento historico o poeta revela-nos a existencia de um poema nacional muito anterior ao Uraguay que é de 1769. O poema de Diogo Grasson Tinoco sobre o descobrimento das esmeraldas por Fernão Dias Paes, e cujo titulo não sabemos precisamente, foi composto no anno de 1689. Perdeu-se esta epopea em estancias de oitava rima, a qual não parece inferior ao poema de Claudio ; as oitavas citadas e conservadas no Fundamento historico cotejadas com as de S. Rita Durão que são da mesma especie, também não ficariam envergonhadas do paralelo.