Página:Obras poeticas de Ignacio José de Alvarenga Peixoto (1865).djvu/16

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
– 10 –

Terceiro:

A mão que a terra de Nemen agarra. (8)

Quarto:

Do claro Tejo á escura foz do Nilo. (9)

Quinto:

Honradas sombras dos maiores nossos. (10)

Sexto:

Nem fizera a discordia o desatino. (11)

Setimo:

Eu vi a linda Estella e namorado. (12)

Oitavo:

Não cedas coração, pois n’esta empreza. (13)

Nono:

Expõe Theresa acerbas mágoas cruas. (14)

Decimo:

A paz, a doce mãi das alegrias. (15)

Undecimo:

Amada filha, é já chegado o dia. (16)

Convem notar-se que os sonetos oitavo ,nono, decimo e undecimo forão impressos no Parnaso brasileiro, logo após uma canção a Luiz de Vasconcellos e Souza