Página:Peregrinaçam.pdf/33

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fernão Mendez Pinto. 13

Cagerrendaõ, onde o Bara o teue cercado vinte & tres dias, & por lhe neſte tempo adoecer muyta gente, & o campo da parte contraria eſtar tambem muyto falto de mantimentos, fizeraõ ambos pazes entre ſy, com tal condiçaõ que o Achem deſſe logo ao Bata cinco bares de ouro, que fazem da noſſa moeda duzentos mil cruzados, para pagar a gente eſtrangeyra que tinha comfigo, & que o Bata caſaria o ſeu filho mais velho com a irmam do Achem, ſobre que tiueraõ adifferenca. E ſatisſeito eſte concerto por ambas as partes, o Bata ſe tornou para ſua terra, onde desfez logo o ſeu campo, & deſpidio toda a gente. Durou a quietação deſta paz por tempo de ſós dous meſes & meyo, em que ao Achem vieraõ trezentos Turcos, porq̃ eſperaua do eſtreito de Meca em quatro naos de pimenta q̃ lâ tinha mandado, & muytos caixoẽs de eſpingardas & armas, com algũas peças de artilharia de bronzo, & de ferro coado, cõ os quais o Achem, & com outra mais gente q̃ ainda tinha cõſigo, fingindo yr a Pacem prender hum Capitão que ſe lhe leuantara, veyo ſobre dous lugares do Bata, que ſe chamauão Iacur & Lingau, & como os achou deſcuydados pelas pazes q̃ eraõ feitas auia tão poucos dias, os tomou muyto facilmente, com morte de tres filhos do Bata, & ſetecentos Ouroballoẽs, que he a milhor gente, & a mais fidalga de todo o reyno. O Rey Bata ſintindo em eſtremo eſta tamanha traição, fez juramento na cabeça do principal idolo da ſua gentilica ſeita, por nome Quiay Hocombinor, Deos da juſtiça, de não comer ſruyta, nem ſal, nem couſa que lhe fizeſſe ſabor na boca ate não vingar a morte de ſeus filhos, &ſe ſatisfazer do que lhe tomaraõ, ou morrer na demãda. E querendo agora eſte Rey Bata pòr por obra o que tinha determinado, ajũtou hum campo de quinze mil homẽs, aſsi naturais como eſtrangeiros, em que algũs Principipes ſeus amigos o ajudaraõ, & não contente com iſto ſe quiz tambem valer do noſſo fauor, & por iſſo comerco Pero de Faria com eſta noua amizade que atras diſſe, a qual lhe elle aceitou de muyto boa vontade, porq̃ entendia quão importante ella era ao ſeruiço del Rey, & à ſegurança daquella fortaleza, & quanto com ella crecia o rendimento da alfandega; & o proueito ſeu delle, & dos Portugueſes que naquellas partes do Sul tinhaõ ſeus tratos, & fazião ſuas fazendas.

CAP. XIIII.
Do que mais paſſou neste caſo ate Pero da Faria me mandar a este Rey Bata, & do que vy no caminho.

P

Ero de Faria deſpois q̃ leo eſta carta do Rey dos Batas, & entendeo do ſeu Embaixador o negocio a que vinha, o fez agaſalhar o mais honradamente que então foy poſsiuel. E paſſados
dezaſſete