Página:Poesias (Bernardo Guimarães, 1865).djvu/104

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

— 96 —

     O somno dos finados.
Elles forão gozar bens ineffaveis
Na pura esphera, onde d’aurora os raios
Seu brilho perennal jámais extinguem,
Deixando sobre a margem do jazigo
     A cruz dos soffrimentos.

Adeos, portanto, funebre recinto!
E tu, amigo, que tão cedo vieste
Pedir pousada na mansão dos mortos,
Adeos! — foste feliz, — que a senda é rude,
O céo é tormentoso, e o pouso incerto.