Página:Poesias eroticas, burlescas e satyricas.djvu/109

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
105
olinda a alzira


Immolando milhões á gloria sua?
Nos labios teem doçura, e probidade,
No coração o fel, a raiva: os monstros
São máus por condição, ou máus por erro?

Não, eu não posso, Alzira, d′este enigma
Romper o denso véo: minhas idéas
Jazem n′um cahos de horrida incerteza:
Hesitar-me não deixes por mais tempo:
Minha instrucção confio aos teus cuidados;
D′amizade o explendor dá-te a mim toda;
Acaba de fazer-me de ti digna.