Página:Poesias eroticas, burlescas e satyricas.djvu/48

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
44


TRADUZIDO DA IMITAÇÃO FRANCEZA DE MK. PARNV

Imaginas, meu bem, suppões, oh Lilia,
Que os benéficos céos, os céos piedosos
Exigem nossos ais, nossos suspiros
Em vez de adorações, em vez d′incenso3?
Crédula, branda amiga, é falso, é falso:
Longe a cega illusão. Se ambos sumidos
Em solitário bosque, e misturando
Doces requebros c′os murmúrios doces
Dos transparentes, gárrulos arroios,
Sempre me ouvisses, sempre me dissesses
Que és minha, que sou teu; que mal, que oíTensa
Nosso innoeente amor faria aos Numes?
Se acaso reclinando-te commigo
Sobre viçoso thalamo de flores,