Página:Rosa, rosa de amor.djvu/56

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


      Sonhos de amor, perfumados
Do aroma da flor da laranjeira,
      Botões de rosa desabrochados
Em goivos, desfeitos na lama e na poeira;

      Sonhos do olhar namorado
Ao descobrir, como um triumphador,
      Todo enlevado, todo enlevado,
Que uns seios de marmore arquejam de amor;

      Sonhos do ouvido, escutando
O ingenuo amor que se revela emfim
      Involuntariamente, quando
Em phrases que negam a voz diz que sim;