Página:Rosa, rosa de amor.djvu/62

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Tremulas maretas que passais boiando
Pela flôr das ondas nos parceis do mar;
Tremulas maretas que alvejais cantando,
          Que fazeis? Passar.

          De repente surgis... No mar sem fim
Um turbilhão de alvura de repente cresce;
Passa; afasta-se; e como appareceu, assim
          Desapparece.

Brancura brilhante de espumas, sons velados
          Da agua no açude de um pomar.
          Passais, desfeitos, desmanchados
Na tristeza sonora das ondas do mar.