Página:Ultimos Sonetos.pdf/146

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
140
ULTIMOS SONETOS


Se é de silencio e sombra passageira,
De cinza, desengano e de poeira
Este mundo feroz que te condemna;

Embóra anciosamente, amargamente
Revélla tudo o que tu'alma sente,
Para ella então poder ficar serena!