Página:Ultimos Sonetos.pdf/175

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


SEXTA-FEIRA SANTA


Lua absynthica, verde, feiticeira,
Pasmada como um vicio monstruoso...
Um cão estranho fussa na esterqueira,
Uivando para o espaço fabuloso.

É esta a negra e santa Sexta-feira!
Christo está morto, como um vil leproso,
Chagado e frio, na feroz cegueira
Da Morte, o sangue rôxo e tenebroso.