Página:Versos da mocidade (Vicente de Carvalho, 1912).djvu/28

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


6
VERSOS DA MOCIDADE


Falámos de amor... E sobre
Minh’alma arqueava-se o azul
Do teu olhar transparente
Como o ceu alvorecente
Das nossas manhãs do sul.

Quanta loucura sonhámos!
Quanta ilusão multicôr!
Quanta rizonha esperança
Nessas almas de criança
Iluminadas de amor!



Quando eu partia, chorámos...
Toda a alma se me desfez.
Cada lagrima caída
Era uma folha da vida
Que eu desfolhava a teus pés.

Então amavamos tanto!
Tanto esquecemos apóz!
E de mjnh’alma, alto e dôce,
Foi-se afastando... e calou-se
O ultimo som de tua voz...