Página:Versos da mocidade (Vicente de Carvalho, 1912).djvu/63

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Esta página contém uma imagem. É necessário extraí-la e inserir o novo arquivo no lugar deste aviso.

NEVER MORE

Tu queres reviver aquele amor de outrora...
Douda! Mal sabes tu, nem podes compreendel-o,
Que noute anouteceu no ceu daquela aurora,
Como a minh’alma em flor se recobriu de gelo!

Um dia ergueste o vôo... O rózeo torvelinho
De uma ezistencia nova e esplendida arrastou-te:
Voaste para a luz — e aqui fiquei sózinho
No fundo deste amor onde caíra a noute.